Skip to main content

Operadora de plano de saúde Hapvida lucra 7,6% a menos no 2º trimestre

A operadora de plano de saúde Hapvida registrou lucro líquido de R$ 149,7 milhões no segundo trimestre deste ano, uma queda de 7,6% na comparação com o mesmo período anterior. De abril a junho, a receita avançou 19,9%, em base anual, para R$ 1,11 bilhão.

O aumento da receita é justificado pelo crescimento de 7,2% no número de beneficiários de planos de assistência médica e pela alta de 12,4% do valor médio dos planos.

Apesar do avanço da receita, a empresa reportou queda do lucro líquido devido o aumento da sinistralidade, para 60,8%, e de aumento das despesas tributárias e operacionais.

Segundo a empresa, em informe de resultados, o avanço da sinistralidade ocorreu com o maior volume de atendimentos relacionados às viroses, efeito de aspectos climáticos como mudança no volume e distribuição do regime de chuvas entre os meses com maior precipitação nas regiões Norte e Nordeste.

Em relação às despesas tributárias, durante o segundo trimestre, a alíquota e Imposto de Renda (IRPJ) e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL) foi de 36,4%, superior aos 26,8% do segundo trimestre de 2017. Assim, a Hapvida desembolsou R$ 86 milhões, 44,4% superior aos R$ 59,5 milhões em 2017.

Também na base comparativa anual, as despesas de vendas subiram 17,2%, para R$ 111,4 milhões, e as administrativas tiveram uma alta de 46,3%, para R$ 132,2 milhões.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) subiu 5% em relação ao segundo trimestre de 2017, para R$ 209 milhões. A margem Ebitda passou de 21,5% para 18,8%.

No segundo trimestre, a empresa reportou uma receita financeira líquida de R$ 37,3 milhões, alta anual de 25%.